quarta-feira, 22 de março de 2017

Homem-Aranha Aranhaverso #06 Spider Girl, Inimiga Pública


O poder do universo alternativo


Descobri lendo HQs que existem universos alternativos paralelos - tanto na Marvel quanto na DC -, que em muitos casos servem para confundir as pessoas, mas que também servem para as pessoas leigas (como eu) - e os leitores mais assíduos que estão a procura de uma boa história, mesmo que estas não façam parte da cronologia oficial daquele personagem - afinal, o que seria uma "cronologia oficial" quando se tem várias versões para uma mesma história?

O multiverso (como é chamado) é basicamente um modo que os roteiristas têm para explorar várias versões das suas histórias e personagens sem modificar o universo padrão, que na Marvel é a Terra 616 e na DC é a Terra 0. Nestas terras (ou universos) padrões, é onde estão as histórias mais conhecidas e a tal "cronologia oficial", como a história "Piada Mortal" do Batman (visto que existem outras e outras histórias que contam a possível origem do Coringa, é na Piada Mortal que está a origem oficial). No seriado The Flash, por exemplo, dá para se ter uma ideia de como funciona os universos alternativos. Ou a última saga da Marvel que saiu por aqui, "Guerras Secretas", onde múltiplos universos se colidem com o atual Universo Marvel. Histórias de universos alternativos também são bacanas para ver até onde vai a criatividade dos roteiristas e talvez o mais legal é a possibilidade que o "e se..." proporciona. 


No Aranhaverso (Spider-Verse no original), publicado por aqui pela Panini desde 2015, é uma série que reuni os heróis aracnídeos de diversas dimensões, gerando alguns frutos, como a Spider Gwen e pasmem, até o Aranha Porco (aquele personagem simpático do filme do Os Simpsons). Spider Gwen se passa numa realidade (Terra 65) aonde a famosa antiga namorada do Homem-Aranha, Gwen Stacy foi picada por uma aranha radioativa no lugar de Peter Parker, se tornando a Mulher Aranha (Spider Gwen é só para nós leitores) e quem morreu sob sua responsabilidade foi o próprio Peter Parker, que aqui se torna o vilão Lagarto. 

E as estranhezas não param por aí. O Capitão Stacy e o Tio Ben continuam vivinhos da silva, Frank Castle (outrora o Justiceiro) trabalha na polícia; Matt Murdock (o Demolidor) é um assassino e trabalha para o Rei do Crime; Mary Jane é vocalista de uma banda que leva seu nome (que tem a própria Gwen como baterista) entre outras tantas mudanças feitas afim de adequar o universo a história.

A narrativa em si foi muito bem desenvolvida, porque assim como em outras histórias do Aranha, em Spider gwen os roteiristas souberam trazer a história o mais perto possível do público, características que a Marvel vem tendo a algum tempo com suas histórias e que vem dando certo. Bacana também é que apesar de ser outra protagonista, Spider Gwen ainda traz aquela coisa que fez os quadrinhos do aranha com "grandes poderes, vem grandes responsabilidades", mostrando que não é fácil ser uma super-heroína que tenta manter uma relação amigável com seus pai - que descobriu sua identidade secreta -, enquanto tenta ser aceita pela sociedade como uma amiga e não inimiga pública, de seus problemas pessoas com as integrantes da banda Mary Jane e tenta superar e conviver com a dor da morte de Peter, tudo isso enfrentando adversários como o Abutre e o Rei do Crime.


As ilustrações de Robbi Rodriguez, com cores de Rico Renzi casaram muito bem com uma história como Spider Gwen, trazendo um ar mais urbano para a narrativa. Infelizmente, a história se encerra abruptamente com a deixa para uma continuação (que ao meu ver está na revista Homem Aranha Aranhaverso #08, publicado por aqui em janeiro de 2016) e duas histórias especiais da Gwenpool.

Resumindo tudo Homem-Aranha Aranhaverso #06 Spider Girl, Inimiga Pública é um arco fechado que serve muito bem para quem curte um protagonismo feminino unido a um bom roteiro.


Homem-Aranha Aranhaverso #06 Spider Girl, Inimiga Pública - setembro de 2016 - Jason Lautor (roteiro), Robbi Rodriguez/Rico Renzi (arte) - lombada quadrada - capa couchê - papel LWC - periodicidade bimestral (banca) - Panini Comics - R$18,50

Vinda diretamente do Aranhaverso, Gwen Aranha finalmente ganha sua própria série! Logo de cara, percebe que ser uma super-heroína pode custar muito caro, pois além de explicar ao seu pai, o Capitão Stacy, do departamento de polícia de Nova York, os motivos que a levaram a vida de combate ao crime, Gwen Stacy também precisa encarar adversários como o Abutre e o Rei do Crime! E ainda: conheça Gwenpool! (Spider-Gwen 1-5 e Gwenpool Holiday Special 1)

segunda-feira, 20 de março de 2017

Lançamento #Darklove: A Guerra que Salvou a Minha Vida



Quando um livro se parece com outro que você já leu, ou já ouviu falar, logo surge aquela empatia em querer ler esse livro. A Guerra que Salvou a Minha Vida é mais ou menos assim.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Resenha Parceira: Conan, O Bárbaro


Conan, O Bárbaro - Robert E. Howard - 2011 - 384 páginas - Generale

Pela primeira vez, o público brasileiro terá a oportunidade de apreciar o único romance escrito por Robert E. Howard, criador do personagem Conan, o bárbaro. Neste livro, também são publicados três contos inéditos: "Além do Rio Negro", "As negras noites de Zamboula" e os "Profetas do Círculo Negro".
O leitor se deliciará com narrativas épicas, repletas de reviravoltas e de personagens complexos, guerreiros, batalhas espetaculares, piratas, monstros saídos dos golfos da noite, belas mulheres e feiticeiros, que irão hipnotizá-lo do início ao fim do livro.
Conheça as histórias que inspiraram gerações de leitores, escritores e roteiristas, e que também serviram de base para o filme Conan, o nárbaro.
Leitura obrigatória para apreciadores de literatura fantástica e do gênero espada e feitiçaria.

Quando você se pega gostando de histórias de bárbaros, mas não qualquer um


O bom de ler algo que você não espera nada é que você vai se surpreender com a leitura. Como boa leiga que sou, achei que os roteiros dos filmes do Conan tinham sido transportadas do livro para a tela, como o estreladp por Arnold Schwazenegger ou pelo Jason Momoa (filme que aliás, ilustra a capa do livro). Só que não. Por mais que o personagem seja o mesmo (e os atores diferentes), os romances e contos nada tem a ver com os filmes, sendo histórias totalmente diferentes.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Porque eu desisti DUAS VEZES de ler O Silmarillion de J.R.R. Tolkien



Quem nunca assistiu a (esplendorosa) trilogia O Senhor dos Anéis (clique aqui para ler os três posts sobre) e a trilogia O Hobbit (que não precisava de uma versão estendida, uma vez que fazer três filmes já foi estender demais) que atire a primeira pedra?! Ok, talvez eu esteja sendo um tanto despretensiosa com isso, mas O Senhor dos Anéis (de acordo com a própria Academia) é o filme detentor do maior número de prêmios que um filme poderia ganhar em uma noite numa premiação como o Oscar - se existir algum filme que tenha ganho mais que 11 Oscars, por favor, me avise. 

sexta-feira, 3 de março de 2017

Superman: O Último Filho (DC Comics Coleção de Graphic Novels)


Lançado junto com Batman: Silêncio - parte 2 (em uma ótima sacada da Eaglemoss: compre dois pelo preço de um, R$34,99 na época), Superman: O Último Filho é basicamente meu primeiro contato com uma história solo do Superman - uma vez que as poucas vezes que tive contato com o Homem de Aço foi através dos filmes, da animação homônima e da LJA e da filhadaputagem com o qual a personagem foi retratada em Injustiça (fiquei raivinha do Super naquele quadrinho).


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Preciso falar sobre... Reclamando do povo que está reclamando do povo que está reclamando do preço do Anime Friends 2017

imagem salva do facebook Anime Friends

E o assunto do momento no fandom de anime e frequentadores de evento (sejam eles cosplays, otaquinhos, meninos, meninas, famílias inteiras e o diabo a quatro) é em relação ao preço e os youtubers do Anime Friends 2017 - que não sei se ainda detém do título de "maior evento de animes da América Latina".


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O que Aldous Huxley e George Orwell podem nos ensinar sobre a sociedade do "futuro"



Quem já leu algo distópico, sabe que em alguma obra sempre encontraremos críticas à sociedade atual: como a trilogia Jogos Vorazes (leia tudo sobre a série aqui), que crítica a sociedade atual como se nós fossemos a Capital (e somos mesmo) ou Battle Royalle (já resenhei ele aqui), que através de muita carnificina mostra sobre como cada um perde a razão diante da realidade imposta, isto é, aceitar ou não a participar do Programa, quando a verdadeira natureza do ser humano desperta diante das ameças, pressão e do medo, provando que sim, podemos ser cruel com nossos semelhantes... 

Outros, como Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley e 1984 de George Orwell, são obras escritas à mais de 50 anos e que assustam por mostrar como a nossa atual sociedade é (ou seria na concepção de cada um), sendo na minha opinião uma mistura de ambas. (as resenhas podem ser lidas respectivamente aqui e aqui)

O canal Cabine Literária compartilhou há um tempo atrás em sua página do facebook (do original Alkaisers) uma série de imagens que trazem alguns dos principais conceitos defendidos por cada obra. 

Post com imagens

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Resenha Parceira: O Livro Secreto de Dante - O Mistério da Divina Comédia


O Livro Secreto de Dante: O Mistério da Divina Comédia - Francesco Fioretti - 2012 - 256 páginas - Generale

Dante morreu realmente em Ravena, por causa da malária, como todos pensam, ou alguém teria motivos para desejar sua morte e, com ela, o desaparecimento de um segredo?
Atormentados por essa dúvida, a filha do poeta, Irmã Beatrice, um ex-templário chamado Bernard e um médico, Giovanni de Lucca, iniciam uma dupla investigação para esclarecer o que havia acontecido. Tentam com dificuldade decifrar uma mensagem codificada deixada por Dante em nova folhas de pergaminho e, ao mesmo tempo, começam a seguir pistas de seus prováveis assassinos, descobrindo que muitas pessoas nutriam uma profunda antipatia pelo poeta.
Não será nada fácil encontrar a chave do segredo escondido em A Divina Comédia e descobrir quem teria interesse em impedir o poeta de terminar sua obra. E por que Dante teria decidido esconder com tanto cuidado os últimos treze contos do Paraíso? Teoremas requintados, intrigas complicadas e verdades a serem descobertas se escondem entre os versos das três partes do poema, como a identidade de Veltro, o anúncio da chegada de um misterioso vingador... No pano de fundo histórico da crise política e econômica do século XIV, O Livro Secreto de Dante entrelaça fatos reais e personagens de ficção, tecendo intrigas cheias de mistério e dúvidas intrigantes.

Aquele livro que me fez desistir no meio da história e que eu voltei a leitura para terminá-lo. Uma fênix que volta das cinzas


terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Desculpe o transtorno, mas preciso falar sobre ser blogueira



Não, não é resenha ou promoção do filme. O título que caiu bem para a ocasião


Eu não comecei o Naty in Wonderland por dinheiro. Foi mais por curiosidade, influência mesmo (sabe a revista Neo Tokyo? Então, a Valéria Fernades escrevia por lá e ela tem um blog também, o Shoujo Café, então...). Foi naquela época que havia blogs bons, sem a concorrência de conseguir parcerias, de lucro. Do tempo em que (acredito eu) as pessoas postavam pelo simples prazer de postar - não que isso não exista hoje. Alguns se foram. Outros estão indo (estou nessa também?). Até o grupo ROTAROOTS, que criava temas de tags e postagem coletiva se foi. E a minha motivação está indo também. São os problemas familiares que atrapalham, ser despedida de repente daquele emprego que por mais rotineiro que possa ser acabou se tornando parte da minha vida (de segunda á sábado por quase quatro anos, da comodidade de poder ver as revistas quando chegam, de ver se vale a pena comprar e ler aquele quadrinho estranho, da inspiração que vinha no meio de um encalhe), da preguiça, da falta da vontade de ler, da tendinite que atrapalha bastante na hora de escrever um post novo (seja rascunhando num caderno ou no texto final), dos problemas familiares que estão foda (eu sei que já citei isso, mas estou tão de saco cheio que pode ser que ele apareça por aqui outras vezes), de ler algo com aquela pressão de ter que escrever sobre ele (mesmo que não haja nada pra falar), de fazer parte de uma sociedade onde quantidade vale mais do que qualidade, enfim, de tudo.

Eu poderia continuar aqui citando os motivos pelos quais eu deixei o blog abandonado por tanto tempo (dois meses inteiros mais um pouquinho), mas a questão é bem mais funda. O sentido vai se perdendo e as crises vão aparecendo. Queria deixar o blog de férias, e voltar, cheia de assunto, cheia de textos, mas o que adianta eu fazer uma promessa que talvez eu mesma não consiga cumprir? Parei um desafio literário, o I Dare You 2.0 quase no fim, isso porque eu simplesmente me desmotivei - chegou uma hora que eu queria ler um livro e não podia porque ele não se encaixava na p... do desafio. Como? Com os problemas que a vida lhe dá, os problemas que os outros criam e que te afetam diretamente, os problemas dos outros que nos fazem sofrer por eles. É, tá foda!

Infelizmente, eu tenho contas à prestar a Generale, editora que gentilmente me convidou para ser um blog parceiro (isso se se eu não estragar tudo). Eu já tenho uma resenha escrita (basta transcrever pra cá), mas devido à carga de problemas, nem ler eu ando com vontade. Só para vocês terem ideia, em janeiro eu terminei de ler dois livros que comecei a ler em 2016: Tarkin, que comecei em dezembro; O Livro Secreto de Dante: O Mistério da Divina Comédia eu comecei em novembro (justamente na época que eu fiquei de aviso prévio estava na metade do livro), por consequência acabei abandonando sua leitura para ser retomada somente agora, em janeiro. É, a coisa tá feia.

E para ajudar, minha criatividade se foi. As ideias dos últimos posts vieram quando eu estava trabalhando. Estando há quase dois meses em casa, eu simplesmente não tive nenhum momento eureka, que me fizesse ter vontade de rascunhar algo (e a tendinite não ajuda em nada). Contudo, eu venho fazendo mini-posts na fanpage do blog no facebook, então sintam-se a vontade de curtir a página e acompanhar as novidades por lá.


Não pretendo fechar o blog (ainda). Deletar o Naty in Wonderland, nunca. Agora, postar constantemente vai ser mais difícil, e não vou prometer nada que eu não consiga cumprir, mas irei fazer o possível para atualizar esse cafofo de vez em quando - e o pc estar num quarto junto com o meu irmão não ajuda em nada.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Black Friday Generale: descontos de até 70%

 Editora Évora


A Black Friday chegou também para os leitores da Editora Évora, que está oferecendo descontos de até 70% desde hoje, 24/11 até o dia 30/11; Os títulos que estarão participando da Black Friday são dos três selos da Editora: Évora (livros técnicos), Generale e Folia das Letras (literatura infantil).

E para ajudar ainda mais os leitores, nas compras acima de R$100,00, o pagamento pode ser feito em até 3x sem juros. Não perca!

Se está em dúvida de qual livro comprar, que tal ler as resenhas da editora já publicados aqui? CLIQUE e confira 


Generale é um selo da Editora Évora para livros de comportamento, interesse geral, ficção, não-ficção, esportes e biografias.

 Editora Évora
Clique na foto para ir ao site. Boas compras!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...